23/02/2018

Sobre Janeiro de 2018 ❤

Tive a ideia pra esse post no meio do mês de Janeiro, e tava bem empolgada com ele. Tive algumas crises de ansiedade no fim do mês e acabei deixando pra lá. Depois de tanto tempo de "atraso" pensei: agora é tarde demais pra falar desse mês, né? Mas acho que não vou deixar pra lá. Lembrar das coisas boas que aconteceram vai ser um exercício pra mim, e tenho a intenção de fazer isso todo mês, espero que gostem de acompanhar! E que tal começarem a listar as coisas boas que acontecem a cada dia, ou a cada semana?


Como já expliquei em outro post, 2017 foi o pior ano em sentido emocional pra mim. E no fim do ano, quando eu comecei a ver minhas metas, decidi tentar fazer algumas mudanças pra ver se eu começava a me sentir melhor aos poucos. Isso tem acontecido na medida do possível, então vou listar 3 coisas boas que aconteceram em Janeiro.


* Logo no comecinho do mês, quando ainda estávamos sem vontade de sair, fizemos um esforço de trabalhar na rua, mais precisamente dentro de um shopping. Tínhamos algumas coisas pra resolver, e fazer isso fora de casa foi muito bom. Eu lembro que no final do dia, cheguei em casa e comecei a chorar copiosamente. Ficar perto de tanta gente, com tanto barulho... foi exaustivo. Mas fiquei feliz por ter conseguido sair da minha zona de conforto. No fim das contas tive a companhia da minha mãe, e pude admirar na rua algo que só estava vendo pela janela.

* Ganhei um vaso de flores do marido. Eu sempre tive o dedo podre pra cuidar de plantinhas, mas essa continua aqui, vivinha da silva.



* Consegui apoiar o mutirão no Salão de Assembleias das Testemunhas de Jeová aqui na minha cidade. Fazer isso ao lado do marido também me fez muito feliz.


Nosso cérebro é como um computador. Quanto mais pensamos em coisas ruins, mais nos lembraremos delas. E quanto mais nos esforçarmos em ver o lado bom das coisas, aos poucos será mais fácil de saber reconhecê-las e tê-las bem vivas na memória ❤

Você consegue se lembrar de 3 coisas boas que aconteceram no mês passado?

Nenhum comentário:

Postar um comentário